politica

É injusta a condenação de Lula

21/00/2017

Não foi exatamente uma surpresa a condenação do ex-presidente Lula a 9 anos e meio de prisão em sentença viciada do juiz Sergio Moro. A decisão é individual e este juiz já vinha dando declarações, impróprias para um juiz, criticando advogados de defesa de Lula e revelando sua vontade de condenar.

 

Não há surpresa porque a experiência dos brasileiros é de que boa parte do Judiciário pratica a injustiça, sobretudo contra os mais pobres, ou contra quem defenda os mais pobres, como Lula. Essa situação foi mencionada pelo ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica, que demonstrou total solidariedade a Lula.

 

Vários outros presidentes que defenderam as causas populares também foram perseguidos no Brasil.  Getúlio Vargas foi acusado injustamente, e depois de sua morte ficou provada sua inocência. JK também foi acusado de possuir um apartamento de modo ilícito. Foi cassado, condenado e morto pela Operação Condor, depois que nenhuma irregularidade foi provada. Jango foi atacado, acusado, deposto e morto na Operação Condor. Nenhuma irregularidade provou-se contra ele. 

 

Os poderosos sempre deram um jeito de interromper políticas em favor dos mais pobres. Com Brizola ocorreu o mesmo, nem um fio de cabelo irregular encontraram na sua longa vida em favor do Brasil e do povo brasileiro. Com Lula acontece o mesmo, paga pelo preço de defender causas populares, os direitos dos mais pobres, de defender um Brasil soberano e independente das potências imperiais.

 

A sentença do juiz Moro condenando Lula afirma que as irregularidades supostamente cometidas “são de difícil comprovação”. Além disso, ele revela que não teve tempo de ler todos os documentos apresentados pelos advogados de defesa de Lula. Entre eles, o que mostrava que em 2009, quando Lula foi acusado de receber ilegalmente o apartamento tríplex, o imóvel, registrado em nome da OAS, foi colocado como garantia em uma operação de crédito que esta empresa realizou com a Caixa Econômica Federal.

 

Quem precisa de provas?

 

Com a condenação de Lula se condena um projeto de construção de um Brasil soberano e mais justo. Há uma clara articulação entre alas do judiciário, da mídia, do parlamento e dos grandes capitalistas – sob orientação externa – para impedir que Lula volte a ser presidente da República, pois os ricos temem sua grande popularidade. 

 

Agora vão pressionar o Tribunal Federal que julgará a apelação de Lula por sua inocência. Querem acelerar o julgamento, para confirmar esta injusta condenação antes das eleições de 2018, para que Lula não participe. E não está excluído que suspendam as próprias eleições presidenciais de 2018, caso o povo brasileiro não construa uma ampla unidade para retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento justo. A única saída democrática é o povo unido e nas ruas.

 

 

 

 

 

Mais Sobre Internacional
Edição 33 - 02/06/2017
Anúncio
Edições Impressas
Edição 33 - 02/06/2017
Edição 34 - 23/06/2017
Edição 35 - 07/07/2017
Edição 36 - 21/07/2017
Edição 37 - 04/08/2017
Edição 1 - 18/12/2015
Edição 0 - 4/12/2015