politica

CNI apoiou congelar gastos públicos e agora quer investimento em saneamento

noticia | 23/06/2018 | Da Redação

O investimento insuficiente continua sendo o maior vilão para a ampliação da cobertura por redes de esgoto no Brasil. Nos últimos oito anos, a média de recursos aportados no setor foi de R$ 13,6 bilhões, e agora, com a aprovação no Congresso do congelamento por 20 anos nos investimentos públicos, a situação do saneamento também vai continuar sem os recursos suficientes para melhorar, assim como educação, saúde e programas sociais.

Para alcançar a universalização em 2033, conforme estabelece o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), seria necessário ampliar em 62% o volume de investimentos para um patamar de R$ 21,6 bilhões anuais. É o que mostra o estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Saneamento Básico: uma agenda regulatória e institucional, que integra uma série de 43 trabalhos sobre temas estratégicos que a CNI entregará aos candidatos à Presidência da República.

Mas a CNI omitiu um do importante nesse estudo. É que ela própria, junto com a Fiesp, apoiou o golpe que arrancou Dilma Rousseff da presidência da República sem que ela tivesse cometido crime algum. E os golpistas foram muito rápidos para congelar os investimentos públicos. Ou seja: agora a CNI vem mostrar um problema nacional que ela mesma ajudou a aprofundar, mas não cita que participou desse golpe contra o povo mais pobre.

Mais Sobre politica