politica

Corte nas políticas públicas favorece crescimento do trabalho infantil

noticia | 12/06/2018 | Da Redação, com PT no Senado

Os cortes no Orçamento promovidos pela gestão Michel Temer influenciam diretamente no trabalho infantil no país. É o que acredita o senador Paulo Rocha (PT-PA).

“Neste atual governo, com o corte no Orçamento para as políticas públicas sociais, o que mais se vê são milhões de adultos sem emprego e crianças trabalhando, seja no sinal, vendendo balas, nos estacionamentos como flanelinhas, em lares, nos serviços domésticos e, também, no meio rural no Brasil”, denunciou o petista no plenário do Senado, nesta terça-feira (12).

O discurso do parlamentar deve-se ao Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrado anualmente em 12 de junho. Só no Brasil, em 2016, o total de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos trabalhando era de 1,8 milhão, dos quais quase metade deles (47,6%) na área rural. Os dados são da Pnad Contínua, do IBGE.

“Foi nos governos Lula e Dilma que mais se combateu o trabalho infantil. O programa Bolsa Família deu condições para auxiliar, em muito, na renda familiar dos que mais precisavam. Aliás, um dos pré-requisitos do programa era manter os filhos na escola para receber este benefício”, lembrou Paulo Rocha.

Os governos petistas, inclusive, foram responsáveis por campanhas e programas para erradicar o trabalho infantil no país. Uma das ações foi o fortalecimento da atuação dos auditores fiscais do Ministério Público do Trabalho nesse tipo de fiscalização.

Pará tem índices alarmantes

 

O maior percentual de crianças entre 5 e 9 anos trabalhando é no Pará – quase 15 mil estão nessa condição no Estado, segundo Paulo Rocha. Além disso, de cada dez crianças e adolescentes, quatro desenvolvem atividades na área agrícola.

“Outras grandes preocupações são com a proteção do adolescente trabalhador e o combate à prostituição infantil que se acentua no Pará. A situação é chocante e revela a ausência do Estado para combater os aliciadores de crianças e a falta de proteção às vítimas desse tipo de violência”, finalizou o senador.

Mais Sobre politica