educacao

Rollemberg descumpre lei e deixa crianças sem creche

noticia | 11/10/2017 | Da Redação, com Robson Oliveira Silva

Da Redação, com Robson Oliveira Silva

 

Mais de vinte mil pais e mães de famílias que são trabalhadores no Distrito Federal (DF) não conseguem vaga para matricular suas crianças de 0 a 6 anos de idade nos Centros de Educação da Primeira Infância (CEPIs) ou creches conveniadas com o Governo do Distrito Federal (GDF).

 

Mesmo sendo determinado pelo Artigo 7°, da Constituição Federal, na pratica o governo de Rodrigo Rollemberg (PSB) demonstra que pouco se importa com o direito da trabalhadora e do trabalhador urbano e rural à assistência pública gratuita para os seus filhos e dependentes do nascimento até os seis anos de idade em creches e pré-escolas.

 

Às vésperas do Dia Nacional de Lutas por Creches, 12 de outubro, também Dia da Criança, na manhã do dia 10, os dirigentes do Sindiserviços-DF, sindicato que representa as trabalhadoras e os trabalhadores terceirizados no DF, se juntaram com o Coletivo de Mulheres da Central Única dos Trabalhares (CUT Brasília), em ato que distribuiu folders explicativos sobre os direitos das trabalhadoras e os trabalhadores da Região Administrativa do Areal, no DF, à creches e demais instrumentos públicos de proteção da sociedade.


Compromisso

 

Diversas trabalhadoras, como Raimunda Oliveira Silva, 42 anos, maranhense de Barão de Grajaú/MA, trabalhadora terceirizada na limpeza e conservação de escolas públicas no DF, não tinham conhecimento que alem da Constituição Federal, o direito a creche está garantido e assegurado no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no artigo 389, que expressa que estabelecimentos com no mínimo 30 mulheres com mais de 16 anos de idade, são obrigados a ter creche, fazer convenio ou a reembolsar integralmente as despesas efetuadas com o pagamento de creches de livre escolha da empregada mãe ou outra modalidade de prestação de serviços desta natureza.

 

Com direito a distribuição de lápis de cera, músicas infantis e brincadeiras, as dirigentes Cutistas também convidaram a população para no próximo dia 17 de outubro, a partir das 10 horas, entregarem na Câmara Legislativa do DF (CLDF), um documento da CUT Brasília e seus sindicatos e segmentos sociais filiados, que ressalta a importância dos deputados distritais em se comprometer em cobrar responsabilidades do GDF com o cumprimento obrigatório do orçamento destinado às creches, conforme determina o Plano Nacional de Educação (PNE).

 

Durante o ato, centenas de pessoas também aderiram a Campanha Nacional pela Anulação da Reforma Trabalhista, cujo principal instrumento é um abaixo-assinado em apoio ao Projeto de Lei de Iniciativa Popular (PLIP) e que poderá revogar (anular) a famigerada lei da reforma que foi aprovada pelo presidente investigado de corrupção e golpista Michel Temer (PMDB/SP) e que poderá ser instituída a partir do dia 11 de novembro.

Mais Sobre educacao
  • educacao
    Governo corta verba da UnB e terceirizados podem ser demitidos

    Diante da histórica crise financeira que assola a Universidade de Brasília (UnB), cujo repasse este ano pelo Ministério da Educação (MEC) será de R$ 1,7 bilhões, apenas 2% a mais que o orçamento...

    Governo corta verba da UnB e terceirizados podem ser demitidos
    Saiba Mais
  • educacao
    Sem consultar professores, CLDF impõe Educação Moral e Cívica no currículo escolar

    Mais uma vez a Câmara Legislativa do Distrito Federal desrespeita o magistério público do Distrito Federal e aprova uma lei sem dialogar com o conjunto da categoria. Dessa vez, ignorando até o Conselho de Educaç&atil...

    Sem consultar professores, CLDF impõe Educação Moral e Cívica no currículo escolar
    Saiba Mais
  • educacao
    Inadimplência das empresas explode em janeiro

    O volume de empresas com contas em atraso e registradas em cadastros de inadimplentes cresceu 6,20% em janeiro, na comparação com o mesmo período do ano passado. É a quarta vez consecutiva que o índice acelera ...

    Inadimplência das empresas explode em janeiro
    Saiba Mais
  • educacao
    Cala a boca já morreu

    Quando criança os adultos nos mandavam calar a boca para negar a palavra aos infantes, respondendo-se em voz alta, ou às escondidas para evitar mais repressão: “cala a boca já morreu, quem manda na minha boca sou eu&...

    Cala a boca já morreu
    Saiba Mais