charges

Lideranças mundiais apoiam Lula e lutam por justiça

edital | 21/01/2018 | Augusto da Fonseca

Dezesseis ex-presidentes e outros líderes de diversos países da Europa e América Latina assinaram uma declaração conjunta de apoio ao ex-presidente Lula. Entre eles, José Mujica, do Uruguai, Cristina Kírchner, da Argentina e Felipe González, da Espanha. Para os políticos signatários do manifesto, o que está acontecendo no país é "a tentativa de alguns setores de destruir a imagem deste grande brasileiro". 

Além desses ex-presidentes, outras figuras mundiais importantes deverão se manifestar e várias comparecerão ao julgamento do recurso do Lula, contra a condenação política imposta pelo juiz Sérgio Moro, no próximo dia 24, em Porto Alegre. Outros já declararam apoio, entendendo que não há prova alguma para condenar Lula e tudo não passa de uma tentativa de tirá-lo das próximas eleições. 

Um grupo de 12 deputados do Partido Democrata dos Estados Unidos encaminharam carta ao embaixador brasileiro e ao STF afirmando que “a natureza claramente politizada dos processos judiciais contra Lula tem colocado em risco instituições democráticas vitais e a fé dos cidadãos nessas instituições”. 

Em dezembro, foi inaugurado o Comitê Internacional em Solidariedade a Lula em Londres, na Inglaterra. O evento contou com a presença de brasileiros de movimentos como o @Democracy for BRASIL/UK.  

Organizações mundiais de trabalhadores, como a Confederação Sindical Internacional (CSI) e a IndustriALL Global Union (sindicato mundial dos trabalhadores na indústria) intensificaram a mobilização de suas entidades filiadas, particularmente as da América Latina. A central uruguaia PIT/CNT e a argentina CTA devem mobilizar suas fileiras para comparecer em Porto Alegre. 

Outras organizações globais como a UNI Global Union (organização mundial de bancários e financiários), Internacional de Servidores Públicos (ISP) e a União Internacional dos Trabalhadores na Alimentação (UITA), estão empenhadas em organizar caravanas de trabalhadores para a vigília na capital gaúcha. 

Mais Sobre charges