politica

Tempo de retrocesso que os golpistas de 2016 querem continuar de qualquer forma

artigo | 13/06/2018 | Mario Augusto Jakobskind

No momento em que o Brasil vive um tempo de retrocesso em função da existência de um governo como o de Michel Temer, o mais repudiado na história da República, assiste-se uma campanha eleitoral sem definições e com o risco de não realização do pleito presidencial marcado para o próximo dia 7 de outubro.

Há quem diga que depois da Copa do Mundo tudo se definirá, mas no momento há receio de que o pleito não se realize em função do grave problema das forças conservadoras em apresentar um candidato unitário que possa levar adiante o projeto colocado em prática a partir do golpe parlamentar ocorrido com a ascensão, em 2016, do governo comandado pelo lesa-pátria Michel Temer.

Há também quem questione o termo lesa pária para designar o atual governo ilegítimo. Mas quem acompanha o desenrolar dos acontecimentos percebe perfeitamente que o projeto executado, denominado ponte para o futuro, é pernicioso ao país e é responsável pelo país recuar muitos anos.

Como se não bastasse, o projeto em execução contempla as multinacionais que se apropriam das riquezas nacionais. Exemplo mais marcante é o da entrega de mão beijada das reservas do pré-sal, que o presidente Temer elogiou entusiasticamente, e na maior cara de pau ainda por cima ocupou um espaço eletrônico para esse fim vergonhoso.

Assim vai caminhando o Brasil com Temer, um presidente cujo mandato na prática chegou ao fim, mas teoricamente ainda tem alguns meses ocupando o espaço conquistado por um golpe parlamentar, midiático e judicial e que na prática resultará em ainda maiores estragos para o país e, sobretudo, para os trabalhadores.

Esta reflexão ficaria incompleta se não fosse mencionado o papel desempenhado pela mídia comercial, que apoia totalmente o projeto que faz o país andar para trás.

Independente do desgaste do governo, a mídia comercial faz o possível para preservar o projeto, também apoiado por partidos como o PSDB, que aspira conquistar a Presidência da República, mesmo que não seja permitida a decisão de os eleitores serem consultados.

Para os apoiadores do esquema, pouco importa se o projeto é rejeitado pela opinião pública, como aconteceu nas quatro últimas eleições presidenciais diretas.

A única forma de evitar que seja dada a última palavra pela cúpula golpista é denunciar o jogo espúrio e obrigar que a última palavra decisória seja dada aos eleitores.

Mais Sobre politica
  • politica
    Igreja sem partido, Igreja com princípios

    Tenho muito orgulho da Igreja Católica. Com ela guardo vínculos inquebrantáveis. Ela orienta a minha fé e os fundamentos do meu comportamento cristão. Longe de qualquer fundamentalismo. Fui integrante da JEC e da J...

    Igreja sem partido, Igreja com princípios
    Saiba Mais
  • politica
    O Dia Seguinte

    “Não se pode olhar para a política pelo velho espectro da esquerda e direita”, (Marine Le Pen, Paris, 19 de março 2018)   Como será o Brasil de 2019?   Será que os eleitores de ambos candid...

    O Dia Seguinte
    Saiba Mais
  • politica
    TSE não julga Bolsonaro por denúncia da Folha, mas Moro prendeu Lula com fake news da Globo

    A milionária fraude de manipulação gigantesca do whatsapp, financiada por empresários corruptos com dinheiro de caixa 2, é considerado grave crime eleitoral por 12 de cada 10 juristas eleitorais – mas s&o...

    TSE não julga Bolsonaro por denúncia da Folha, mas Moro prendeu Lula com fake news da Globo
    Saiba Mais
  • politica
    Idec pede investigação sobre campanha eleitoral pelo WhatsApp

    Instituto solicitou abertura de inquérito civil no caso de utilização indevida de dados por empresas durante a campanha eleitoral O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) encaminhou representação &agra...

    Idec pede investigação sobre campanha eleitoral pelo WhatsApp
    Saiba Mais