politica

Ato reúne 50 mil trabalhadores no 1º de maio em Curitiba

noticia | 04/05/2018 | Da Redação

 

 

A reforma trabalhista, a prisão política de Lula e a impunidade no assassinato de Marielle Franco marcaram os atos de 1º de maio em todo o Brasil. O principal reuniu 50 mil pessoas em Curitiba (PR), cidade em que Lula é mantido como preso político desde o dia 7 de abril.  

Foi um ato inédito devido à união histórica das sete principais centrais sindicais do país (CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT). Também participaram dois pré-candidatos à presidência da República, Manuela D’Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (Psol), além de integrantes das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, políticos de vários partidos, artistas e sindicalistas da Argentina, Paraguai, Uruguai e outros países. 

Com Lula preso, pelo que ele representa, o grito de Lula Livre é também o grito por mais moradia, mais emprego, mais salário, mais acesso à universidade e todas as demandas históricas da população. Não apenas porque Lula veio do povo, mas porque fez muito por ele enquanto presidente da República. Não é à toa que ele lidera todas as pesquisas de intenção de votos para presidente da República. 

 

Por tudo isso, é inegável que a história já está registrando que Lula é um preso político condenado às vésperas da eleição, sem provas, com um nítido apoio da grande mídia (a mesma que apoiou a derrubada de Getúlio e o golpe de 1964). O ex-presidente está confinado em uma sala da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, impedido de receber visitas de amigos, autoridades, de prêmios Nobel da Paz e até de comissões de direitos humanos. Ele só pode receber seus advogados e a família, apenas uma vez por semana.

Artistas deram o tom

 Ao longo do dia, diversos artistas passaram pelo palco do 1º de Maio e deram uma grande contribuição para o sucesso do ato. Beth Carvalho cantou um samba composto especialmente em homenagem a Lula e puxou o coro: “queremos Lula andando livre pelo país”. O raper Flávio Renegado regeu um enorme coro em favor de Lula e cantou a música Salve Jorge. Ana Cañas, além de cantar e encantar o público, também pediu liberdade para o ex-presidente. Entre outros artistas que marcaram presença, a atriz Lucélia Santos comandou um enorme grito de Lula Livre.

 

 

Mais Sobre politica
  • politica
    Temer cede às pressões e reduz diesel em R$ 0,46 o litro por 60 dias

    O governo ilegítimo de Michel Temer cedeu à pressão dos caminhoneiros e prometeu congelar por 60 dias a redução do preço do diesel na bomba em R$ 0,46 por litro. A proposta foi anunciada na noite deste d...

    Temer cede às pressões e reduz diesel em R$ 0,46 o litro por 60 dias
    Saiba Mais
  • politica
    Greve dos caminhoneiros

    Os caminhoneiros, corretamente, não querem ser a “variável de ajuste” das decisões erradas tomadas no setor do petróleo. Ou seja, eles não querem ter rendimentos baixos para que os investidores da Petrob...

    Greve dos caminhoneiros
    Saiba Mais
  • politica
    A colônia rodoviária - uma história de corrupções

    A greve dos caminhoneiros, de complexidade política que não enfrentarei nestas reflexões, trouxe, mais uma vez, a baila, a inadequada situação brasileira no que se refere ao transporte de pessoas e de coisas. Tomem...

    A colônia rodoviária - uma história de corrupções
    Saiba Mais
  • politica
    O agente Moro cumpriu sua missão

    Aula de semântica, compreensão e interpretação de texto. A professora escreve no quadro: o agente Moro cumpriu sua missão. Volta-se para turma e pergunta: esta frase está completa?   Murmúrios e ...

    O agente Moro cumpriu sua missão
    Saiba Mais